Designer, desenvolvedora @ Haste
Dolores e Dilana

Faleceu hoje a cantora Dolores O’Riordan, frontwoman da banda The Cranberries. No momento não há informações sobre como se deu o falecimento da artista de 46 anos.

Me lembro como se fosse hoje de como conheci a banda e a voz única de Dolores. Foi através de outra mulher cantora com uma voz única.

Em meados de 2006, havia um reality show obscuro na tv à cabo chamado Rockstar Supernova, cujo objetivo era encontrar um(a) novo(a) vocalista para uma super banda formada pelo Tommy Lee, baterista do Mötley Crüe, o ex-baixista do Metallica, Jason Newsted, e o ex-guitarrista do Guns N’ Roses, Gilby Clarke.

Uma participante me chamou muito a atenção pela voz áspera é forte, pelo visual de bruxa (no melhor sentido) e pela performance que levantou o público. A artista era Dilana Robichaux e a música era “Zombie”, que depois fui pesquisar e foi aí que conheci The Cranberries e a Dolores.

Este vídeo pode não parecer tão bom para você, quanto foi para mim, mas veja: foi a primeira vez que eu vi uma mulher com uma atitude tão rock’n’roll. Minha única referência de mulher no rock era Avril Lavigne até então. Nada contra Avril, mas Dilana fez muito mais o meu estilo. Eu queria ser ela.

Continuei acompanhando o reality show e torcendo por Dilana. Ela ficou em segundo lugar, e houve algumas controvérsias sobre o resultado.

Pesquisei a versão original da música dos Cranberries. A voz de Dolores também me surpreendeu muito quando ouvi. Passei a procurar mais referências de mulheres vocalistas no rock, com vozes que fogem do estereótipo suave ou estilo ópera/ canto lírico. Ouvi mais de Shirley Manson, Janis Joplin, e mais recentemente, St. Vincent, The Pretty Reckless, Guano Apes, Juliette Lewis, July Talk, Sneaker Pimps, e os brasileiros Far From Alaska. Mas isso é assunto para outro post.

Desde então, não sei quantas vezes ouvi “Zombie”, indo para a faculdade, no ônibus, no metrô, no carro, ou em casa tocando a minha air guitar. Até chegamos a ensaiar esta música com instrumentos de verdade (e minha voz de taquara rachada tentando fazer 10% de Dolores ou Dilana sem sucesso). Uma música e duas cantoras que me marcaram.

Deixe uma resposta

Fechar Menu