A participação das mulheres na comunidade WordPress

Desde quando comecei a participar das atividades da comunidades brasileira de WordPress, percebi que a participação feminina era pequena (quando não inexistente, em alguns momentos).

Eu mesma, só entrei acompanhando meu namorado e sócio, que foi o primeiro a se envolver e conversar com as pessoas. Assim, eu tive a oportunidade de me aproximar, conhecê-los, e ver que ali existia um grupo legal de pessoas e um projeto bacana para se dedicar voluntariamente.

Em 2015, após vários desagradáveis (para usar um eufemismo) relacionados ao assédio às mulheres em comunidades de programação e tecnologia, a discussão sobre os problemas de machismo chegou até a comunidade WordPress, e como consequência destas discussões, duas medidas foram tomadas:

  1. Foi criado o grupo WordPress Brasil Women no Facebook, ironicamente por um homem – o Valério, que nós entregou “as chaves” e caiu fora rs. Nós mulheres gostamos da proposta do grupo e abraçamos a ideia. Hoje ele ainda é tímido mas já se mostra um ótimo espaço para networking (alguns negócios e parcerias entre mulheres já saíram de lá por exemplo \o/).
  2. O Leo Baiano perguntou o que nós mulheres reivindicamos e daí surgiu a ideia de fazer uma pesquisa, sugerida pelas mulheres que participavam da discussão, como eu, a Mariana Maneira Ferreira, e a Águida Santana.

A pesquisa foi feita, gerou resultados interessantes, mas ficou lá quietinha. Eu até compilei os resultados em uma apresentação em um Meetup no ano passado, mas nunca publiquei. Por isso, decidi divulgar hoje, já que ainda é quase Dia Internacional da Mulher (um pouco atrasada, eu sei, porque o dia foi cheio…). Sem mais delongas, eis os resultados:

Veja os resultados direto no Google Drive →

O que afasta as mulheres

Com base nesta pesquisa, percebemos que alguns dos principais motivos das mulheres não participarem dos eventos eram:

  • Falta de informações – muitas mulheres gostariam de entender melhor o evento antes de confirmar presença. Quem é o público? Iniciante ou avançado? Somente desenvolvedores ou pessoas de outras áreas?
  • Convite ou pessoas conhecidas – muitas mulheres preferem ir se se sentirem bem-vindas (alguns ambientes realmente nos fazem se sentir como se não devêssemos estar lá). Outras, se sentem mais confiantes se forem com amigos(as) ou conhecer alguém que estiver lá.
  • Falta de tempo – a causa pode ser que mulheres gastam mais tempo cuidando de tarefas de casa e dos filhos, por exemplo, além de trabalharem e estudarem. Assim, sobra menos tempo para investir neste tipo de evento.

Fora estes motivos, muitas mulheres relataram já ter passado por situações de assédio, desde excesso de atenção, piadas machistas, até ouvir comentários sobre outras mulheres e cantadas.

Resultados reais: WordCamp São Paulo 2015

Depois desta pesquisa, ficou claro que as reivindicações que fizemos não eram apenas nossas. Muitas mulheres sentiam o mesmo. Muitas mulheres deixavam de participar por conta de coisas consideradas banais por quem não passa por isso.

Então, resolvemos usar estas informações para tentar mudar o cenários no WordCamp São Paulo 2015 e… funcionou!

Veja os resultados:

O número de mulheres palestrantes aumentou de 5% em 2014 para 32% em 2015

Em 2014, o WordCamp só teve uma mulher palestrante entre os 20 selecionados. Já em 2015, 9 das 28 pessoas que subiram ao palco eram mulheres. Muitas mulheres se surpreenderam com esta proporção e comentaram durante o evento.

Como conseguimos: fizemos uma divulgação especial da abertura de submissão de palestras focada em grupos de mulheres, em blogs com grande visitação e nas redes sociais. Falamos diretamente com várias mulheres que tinham histórias interessantes para contar. Explicamos que o WordCamp é aberto à todas as pessoas e temas.

A quantidade de mulheres participantes aumentou De 15% para 21%

Entre os 280 ingressos vendidos em 2015, cerca de 60 foram para mulheres. Além disso, também houve a participação do coletivo Programaria para cobrir a presença feminina no evento.

Como conseguimos: fizemos novamente uma divulgação em grupos de mulheres, procurando mostrar que o evento estava pronto para recebe-las, que as palestras seriam de níveis e assuntos variados e que o ambiente seria propício.

Conclusão

Ajudar nesta pesquisa também foi um dos fatores que me destacou para o premio que ganhei da fundação WordPress no ano passado. Isto é prova também de que prestar atenção nas mulheres é uma tendência mundial.

Ainda há muito a ser feito, mas a resposta tem sido positiva. Obrigada à todas as mulheres que participam e fazer do WordPress uma comunidade e um software mais feminino! E homens, nos acompanhem nessa jornada!

Compartilhe

Anyssa Ferreira

Anyssa Ferreira